quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Senhas wifi de (muitos) aeroportos pelo mundo

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Lista de comandos (completa) do BZFlag


All Users Registered Users Operators Administrators Note: Permissions are valid for Secretplace, Dragon, and Galkire, other servers may be different
Game Mode Keys (Default Settings)
Left MouseFire
TabJump
Space or
Middle Mouse
Drop Flag
Arrow Keys or
Mouse Movement

Move and Aim
Esc
Menu
- =+
Change Time of Day
Delete
Self Destruct/Cancel
1,2,3
Radar Range
9
Auto Pilot
A
Slow Keyboard Motion
B
Binoculars
F
Flag Help
H
Flags on Radar
J
Flags on Field
I or
Right Mouse

Identify
K
Silence/Unsilence
Arrow keys scroll callsign list
N
Message to All
M
Message to Team Mates
,
Message to Nemesis
.
Private Message
Arrow keys scroll callsign list
O
Admin Interface
P
Pause/Resume
S
Score Sheet
T
Frame Rate (FPS)
Y
Frame Time
U
Set Nemesis (Hunted)
Arrow keys scroll callsign list
F5
Screen capture to bzfi####.png file in BZFlag Folder
F12
Fast Quit
Ctl-Esc
Minimize to Windows
Alt-F1~F10
Quick Keys to ALL
Ctrl-F1~F10
Quick Keys to Team

Observer Mode Keys
LShow Tank Labels
F6 & F7Tank Select for Tracking|Driving|Following
F8Set Mode: Tracking|Driving|Following|Roaming
F9 & F10Zoom In & Out
F11Normalize Zoom
Shift-Arrow KeysMove left, right, forward and backward while roaming
Ctrl-Arrow KeysRotate left, right, up and down while roaming
Alt-Arrow KeysMove up and down while roaming
Commands Type these in when sending a message (n m , .)
/ban ip time callsign-reasonBan ip address from the server for specified time in minutes. Time=0 is permanent ban.
/banlistList the banned IP addresses
CLIENTQUERYLists the client version information for all users
/countdownStarts a time limited game
/deregister callsignDeregisters specified callsign, or your own if no callsign given
/flag resetCauses all flags to be dropped. New flag locations are randomized.
/flag reset unusedRandomizes locations of unused flags
/flag upCauses all flags to be dropped
/flag showDisplays the status of all the flags
/flaghistoryGives history of what flags player has carried
/gameoverEnds the current game
/ghost callsign passwordKicks the specified registered callsign off the server
/grouplistShows the groups
/grouppermsList the groups and their permissions
/helpShows help text
/hostban hostmask time callsign-reasonBan hostmask from the server for specified time in minutes. Time=0 is permanent ban.
/hostbanlistList the banned hostmasks
/identify passwordLogin your callsign
/idlestatsgives a list of players idle and pause times
/kick callsign reasonKick callsign off the server giving reason
/lagwarnDisplays the current lag warning time in ms
/lagwarn timeSets the lag warning time to time ms
/lagstatsLists the lag statistics for all users
/password passwordYou become an administrator
/playerlistList the players with their IP addresses, hostmasks, and slot positions
/poll kick|ban callsignstart a poll to kick or ban specified callsign
/poll vetoCancel the ongoing poll
/poll vote yes|noVote in a poll
/register passwordRegister your callsign
/removegroup callsign groupRemoves the callsign from the specified group
/reloadReloads the databases
/report messagesends a message to the admin and/or stores it in a file
/reset variableResets a world configuration variable to its default value
/set variable valueSets a world configuration variable
/setgroup "callsign" groupAdds the callsign to the specified group
/setpass passwordchange your password
/showgroup callsignShows the groups of the callsign, callsign is optional
/shutdownserverShuts down the server
/superkillDisconnects all players on the server and ends the current game
/silence callsign
SILENCE callsign
Blocks all messages from callsign
/unban ipUnban the specified IP Address
/unhostban hostmaskUnban the specified hostmask
/unsilence callsign
UNSILENCE callsign
Unblocks all messages from callsign
/vetoCancel the ongoing poll
/vote yes|noVote in a poll

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Adobe mata o nome 'Flash', depois de vinte anos

Depois de vinte anos de atualizações problemas e outras coisas mais a Adobe vai acabar com o Flash (substituindo o nome por Animate CC)


terça-feira, 10 de novembro de 2015

Ransomware também já chegou aos servidores Linux

Os problemas de segurança estão a tornar-se cada vez maiores e a atingir cada vez mais utilizadores. O ransomware é já, infelizmente, conhecido de todos, com as consequências que bem se lhe conhece.

Mas o ransomware tem estado a evoluir e adaptar-se a novas realidades, atingindo agora servidores Linux, onde os sites da Internet estão alojados. Esta é a mais recente face deste problema.

Por norma o ransomware afectava os utilizadores do Windows, ficando limitado a máquinas pessoais, que depois de verem os seus ficheiros cifrados teriam de desembolsar um valor para poderem ter acesso aos seus ficheiros.

Mas a empresa de antivirus Doctor Web emitiu agora uma nota onde alerta os administradores de sistemas para uma nova vertente de ransomware. Depois de atacar os computadores com Windows passou agora para os servidores web Linux.

O ponto de entrada que foi identificado para este ataque é uma vulnerabilidade existente no CMS Magento, que permite que os atacantes coloquem o seu software a correr.

O Linux.Encoder.1, nome dado pela Dr Web a este ransomware, procura servidores onde sabe estar a correr o software Apache ou o Nginx. Tem também uma apetência especial por servidores onde o MySQL está presente.

Uma vez dentro do servidor o Linux.Encoder.1 inicia o seu processo de cifra, procurando as pastas do Apache, Nginx ou SQL, as homes dos utilizadores, mas não tocando nas pastas ou ficheiros de sistema ou de acesso a ele (.ssh).

"First, Linux.Encoder.1 encrypts all files in home directories and directories related to website administration. Then the Trojan recursively traverses the whole file system starting with the directory from which it is launched; next time, starting with a root directory (“/”). At that, the Trojan encrypts only files with specified extensions and only if a directory name starts with one of the strings indicated by cybercriminals."

Compromised files are appended by the malware with the .encrypted extension. Into every directory that contains encrypted files, the Trojan plants a file with a ransom demand — to have their files decrypted, the victim must pay a ransom in the Bitcoin electronic currency.

Todos os ficheiros cifrados passam a ter a extensão .encrypted e em cada pasta por onde passa deixa também um ficheiro onde é explicado ao utilizador o processo de recuperação dos ficheiros.

O que os atacantes exigem ao administrador dessas máquinas é que seja pago um resgate, como é normal, no valor de uma bitcoin, cerca de 390 euros (420 dólares).

Apenas após esse pagamento é que é iniciado o processo de recuperação dos ficheiros. Este é feito de forma automática, pelo próprio software de ransomware, feito de forma inversa à que usou para realizar a cifra, e eliminando de todas as pastas o ficheiro que contém o pedido de resgate.

Para conseguir ser executado, o Linux.Encoder.1 necessita de permissões de administração, e muito provavelmente de um administrador para se iniciar.

As recomendações para estes casos não são diferentes das que são apresentadas em casos similares, mas nos computadores pessoais. Devem ser realizadas cópias de segurança periódicas e preferencialmente deslocalizadas fisicamente.

Caso sejam vítimas do Linux.Encoder.1 não devem tentar resolver o problema sozinhos, e devem procurar ajuda especializada. Na maioria dos casos uma reposição de uma cópia de segurança é o primeiro passo, mas devem ser tratados de seguida dos pontos de falha para evitar que sejam novamente explorados.

Estas novas variantes do ransomware mostram que os atacantes estão a tornar-se mais criativos e a procurar novos pontos de falha para poderem explorar.

Depois dos computadores pessoais é a vez dos servidores Linux serem as vítimas, com a triste garantia de que este movimento não ficará por aqui, esperando-se para breve novas formas de ataques.

Plataforma Linux agora conta com mais de 1600 jogos no Steam

Agora o Steam já possui mais de 1.600 jogos para Linux! No momento em que escrevo este artigo, a loja da Valve conta com 1.606 títulos disponíveis para o sistema do pinguim. E pensar que um pouco mais de três anos atrás muitas pessoas duvidavam dos planos da Valve para a plataforma Linux.Obviamente, já se passaram um bom tempo desde que a Valve lançou a versão beta do Steam para Linux e em penas alguns dias (10 de novembro) é quando as Steam Machines serão oficialmente lançadas. Os dispositivos serão equipados com o SteamOS, o sistema operacional da Valve baseado no Debian.
Nestes últimos três anos temos visto a Valve fazendo diversos investimentos significativos para os drivers de vídeo open source, como também em outras áreas da plataforma Linux (em parte através do seu patrocínio com a Collabora e LunarG), e trouxe sua própria coleção de jogos para o sistema do pinguim. Sem falar que a própria Valve está envolvida no desenvolvimento da API Vulkan.”

sábado, 4 de janeiro de 2014

Pense numa partida em que um time são apenas 2 jogadores da seleção japonesa de futebol X 33 jogadores de categorias de base ?
poisé ... eles fizeram isso ...

não satisfeitos fizeram outra partida 2 x 55 ...


terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Feliz NAtaL e que a força esteja com você ...

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Microsoft quer Windows XP em OLPC

Engenheiros da Microsoft estão trabalhando arduamente em uma versão mais leve e compacta do Windows XP para o projeto One Laptop Per Child (OLPC) que pretende facilitar o acesso de crianças de países em desenvolvimento a computadores.

Segundo o site TG Daily, as informações da empreitada foram divulgadas por James Utzschneider, gerente geral de um grupo interno de comunicação e marketing da Microsoft, que avisou que o XP ainda não roda no aparelho XO, porém uma equipe já está trabalhando nisto desde o início do ano.

Em seu blog, Utzschneider explicou que levará até meados de 2008, no mínimo, até que uma nova versão do XP seja lançada. Muito deste período será usado para adaptar o XP para rodar a partir de um cartão SD, e também no desenvolvimento de uma nova BIOS.
Sem querer levantar expectativas, o executivo afirmou que o projeto não deve ser considerado como certo e que, embora haja comprometimento da Microsoft em desenvolver uma adaptação de qualidade do XP, ainda há muito a ser trabalhado até que isto seja concluído.
Quando terminado, o projeto permitirá que usuários rodem Windows não apenas a partir do XO, mas também de outros laptops baseados em memória flash, conforme noticiou o Digital Trends.
O laptop popular XO é vendido por preço inferior a US$ 200 e utiliza uma distribuição Linux gratuita para baratear seu custo. Ainda não há previsão de preços ou disponibilidade comercial para a versão adaptada do XP.

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Aplicativo para Android e iOS permite conhecer o Monte Everest

Se escalar o Monte Everest sempre foi uma espécie assim de… sonho inatingível, está na hora de rever seus conceitos, pois hoje já é possível fazer isso sem correr riscos ou passar por uma série de preparos físicos a fim de aguentar o clima gélido e a infindável escalada até o topo da montanha mais alta do mundo, e nem sequer mesmo precisa viajar, pode realizar esse senho sentado aí mesmo onde está e de graça, pois é, e isso graças a um simples aplicativo.
A companhia russa 3D RealityMaps criou um interessante aplicativo, completamente gratuito, que também atua como um GPS comum e foi montado com diversas imagens registradas através de satélites espaciais, resultando em maravilhosos mapas tridimensionais de altíssima qualidade e que podem ser explorados livremente por qualquer usuário, bastando apenas baixar o aplicativo.
Com uma interface super fácil de entender, embora esteja completamente em russo, você não terá problemas na hora de usar usar o app normalmente.

Via:Fayerwayer

domingo, 14 de abril de 2013

Atualização para Windows 7 travou seu computador?

A Microsoft divulgou o passo a passo para desinstalar a atualização de segurança para Windows 7 que impede os usuários de reiniciar o sistema.

Um dia depois de identificar a falha na atualização para Windows 7 que travou computadores de muitos brasileiros desde a última terça-feira (9), a Microsoft divulgou, em seu blog oficial, a causa da falha.

Para quem instalou a atualização, mas ainda não reiniciou o computador

Segundo a Microsoft, é possível desinstalar manualmente a atualização de segurança. Para isso, acesse o Painel de Controle e clique em "Exibir atualizações instaladas". Depois selecione "Atualização de segurança para Microsoft Windows (KB2823324) e depois em "Desinstalar", o que removerá a atualização de segurança do computador. Depois disso, o usuário pode reiniciar o computador normalmente, pois o sistema não apresentará a falha.

Para quem instalou a atualização e está com o Windows 7 travado

Se o usuário está com o sistema operacional travado desde que reiniciou o computador após instalar a atualização, a Microsoft recomenda que o usuário reinicie o computador com a tecla F8 do teclado. Selecione "Reparar o computador", selecione o idioma "Português" e faça login no sistema.

Selecione a opção "Restauração do sistema" no menu que o sistema exibirá e depois peça para o sistema regredir ao último ponto de restauração do sistema. Segundo a Microsoft, isso desinstalará a atualização de segurança 2823324. Depois, basta reiniciar o computador normalmente que o Windows voltará a funcionar.

Caso o usuário tenha instalado algum programa no computador no período entre o último ponto de restauração e a data da instalação, o programa pode desaparecer. Por conta disso, o usuário terá que reinstalar o programa desejado. A restauração do sistema não tem impacto nos arquivos armazenados pelo usuário na memória do computador, então nenhum arquivo será perdido durante o processo.

Na página de suporte da Microsoft , a empresa oferece outras opções possíveis para resolver o problema, além de um maior detalhamento sobre as causas.

Para quem ainda não enfrentou o problema

De acordo com Rogério Pereira, diretor de operações da Sr. Computador, empresa especializada na manutenção de computadores, os usuários que ainda não sofreram com o problema devem desligar temporariamente as atualizações automáticas do Windows 7.

Para fazer isso, a empresa deve acessar o Painel de Controle e depois a opção "Windows Update". Na barra lateral à esquerda, clique em "Alterar configurações" e selecionar a opção "Procurar atualizações, mas permitir que eu escolha quando baixá-las e instalá-las".

Vale lembrar que, após a resolução da falha na atualização, o usuário deve voltar a instalar todas as configurações de segurança da Microsoft.

tutorial em video

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Problemas com alteração de idioma Win7

Se você teve algum problema na hora de alterar o idioma do seu Windows 7 faça os seguintes passos:

type in:  net stop cryptsvc
press enter & wait for service to stop.
type in:  cd\
press enter.
type in:  cd windows\system32
press enter
type in: ren catroot2 catroot3
press enter
type in:  net start cryptsvc
go to start orb - control panel - windows update 
install updates that would not install 
reboot




OBS:

Remova todos os arquivos tmp*.cat da seguinte pasta:
%systemroot%\system32\CatRoot\{F750E6C3-38EE-11D1-85E5-00C04FC295EE}


Execute novamente o arquivo/update e tudo estará normal.

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Novo app do Twitter, Vine, é bloqueado pelo Facebook

Vine é o novo app de compartilhamento de vídeos do Twitter que acabou de ter sua funcionalidade bloqueada pelo Facebook, de acordo com o Mashable, agora o usuário já não pode mais encontrar no aplicativo os amigos presentes no perfil do usuário na maior rede social do mundo.

Quinta-feira passada o Twitter lançou esse aplicativo que contava com o recurso de ajudar o usuário a encontrar os contatos dele no Facebook e no Twitter, agora, no entanto, com o bloqueio do Facebook, só será possível seguir amigos da agenda do smartphone e do serviço de microblogs.

Ao tentar utilizar o recurso o usuário verá uma mensagem de erro, indicando que o app não está autorizado a solicitar acesso ao Facebook.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Ubuntu Phone OS

Depois de muita “pouca” espera, a Canonical revelou seu novo produto: Ubuntu Phone OS.

O conceito de touch foi bem explorado. Podemos ver que a Canonical soube como fazer barulho na comunidade e, no horário esperado, todos os olhos estavam voltados para o anuncio da Canonical.

O produto é uma expansão do Ubuntu for Android. Segundo a página oficial do projeto, é um smartphone que, ao mesmo tempo, é um computador completo. Infelizmente, ainda não há nenhuma empresa com planos de lançar um aparelho equipado com o Ubuntu Phone OS, mas todas as informações serão liberdas durante a CES deste ano, que será do dia 07 ao dia 11 de janeiro.

O Ubuntu Phone OS traz toda a interface conhecida do Ubuntu, seja no sistema operacional para computadores ou na Ubuntu TV. Uma experiência única de integração entre sistemas. Aliás, o ponto forte deste sistema é sem dúvida a sua interface incrivelmente bem aproveitada ao nível de funcionalidades. Veja o vídeo e verá que existe uma infinidade de novas funcionalidades acessíveis de forma incrivelmente rápida, uma delas é o HUD via voz!

Segundo o OMG! Ubuntu!, o sistema funcionará também em aparelhos conhecidos como low-end, que, para os usuários Android, sempre ficam em segundo plano. Curiosamente, também é o plano do Firefox OS, da Mozilla, parceira da Canonical.

IDE para desenvolvimento de aplicaçõesMOs aplicativos para o Ubuntu Phone OS serão, como no Firefox OS, em HTML5, facilitando a sua criação. Isto significa que qualquer um pode criar aplicativos para o Ubuntu Phone OS. Aliás, uma das grandes novidades deste sistema é o IDE que está a ficar pronto para facilitar todos aqueles que querem participar ativamente no enriquecimento do Ubuntu Phone OS!

Outro diferencial é que não há tela de bloqueio e sim a tela de boas vindas, em que aparecem notificações (como novos tuítes ou novas mensagens) e que todos os cantos da tela mostram funcionalidades: na esquerda, os aplicativos favoritos (como no Unity para desktop). Uma funcionalidade que poderia estar disponível no Android é a troca de aplicativos. No Ubuntu Phone OS ela está presente: ao arrastar o lado lateral direito para o centro da tela, você poderá ir para o aplicativo anterior. Quase como num computador. A ideia de multi tarefa é explorada de forma eficaz e (aparentemente) verdadeira.

Barra de notificações do Ubuntu phone OSA barra de notificações, apesar de ser bem similar com a do Android, iOS e Windows Phone, é bem diferente. Ao arrastá-la para baixo e depois para os lados, você vê notificações do aplicativo que você escolher. E o melhor, depois disso, ele automaticamente é aberto. Bem organizado e diferente.

Para 2013, ainda estão agendadas duas novas versões do Ubuntu: 13.04, a ser lançada em abril e a 13.10, a ser lançada em outubro. O foco mobile será explorado e é possível que, em breve, o Ubuntu esteja disponível em todas as plataformas: PC (desktop e portáteis), TV, tablets e smartphones. A nova versão, 13.04, trará novidades que estarão no Ubuntu Phone OS. O HUD aceitará comandos de voz e o dash apresentará modificações (veja a imagem abaixo).HUD on ubuntu PhoneM

Toda a comunidade e o software livre só tem a ganhar com isso. E é este o foco: o Linux cada vez mais disponível em todas as plataformas. E o trabalho da Canonical nisso é de grande valor, pois colocou o Linux em evidência.

Vídeo de­mons­tra­tivo....Apre­sen­tação do Ubuntu Phone OS

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Sudão do Sul - O país open source

Recém-fundado após anos de guerras, Sudão do Sul pode ter um recomeço tecnológico e ser o primeiro país ‘aberto’ do mundo

Onde quer que esteja, Stephen Kovats mantém o hábito de usar camisas estampadas. Mas não se deixe enganar pelo tipo um tanto excêntrico. Ex-diretor do festival Transmediale, tradicional encontro alemão de arte e tecnologia, Kovats apresentou na conferência Open Strategies, em Berlim, o que talvez seja seu mais ambicioso projeto: o #OSJUBA (Open Source Juba), que ele quer realizar no Sudão do Sul, país africano imerso em guerras há pelo menos 50 anos .

“Tudo começou com uma visão: o mais novo país do mundo (o Sudão do Sul se tornou um Estado independente em 2011) nasce em um momento em que existem tecnologias e metodologias para o acesso e o compartilhamento de informação e conhecimento que não existiam quando a maioria das outras nações do mundo foram fundadas”, disse Kovats.

No projeto, Kovats quer utilizar tecnologias de código aberto e o conceito de transparência e cultura livre para construir a primeira nação de código aberto do mundo. A capital, Juba, seria o modelo. “Queremos compartilhar a informação. A comunidade open source está mais madura, mais atenta ao seu papel, já é um fenômeno global, e agora é a hora de olhar para essas metodologias e aplicá-las”, disse Kovats.

O projeto, que ainda está em fase embrionária, teve seu lançamento em um evento realizado em Berlim com a presença de hackers, ativistas, especialistas em software livre e a embaixadora do Sudão do Sul na Alemanha, Sitona Abdalla Osman, uma das entusiastas do projeto.

Como resultado das articulações iniciadas no meio do ano, Juba sediará a partir de hoje o evento Medias&Makers, parceria da agência de Kovats, r0g media, com a ONG alemã Media In Cooperation and Transition (MICT). O evento vai reunir representantes da Fundação para o Software Livre e Open Source para a África, além de autoridades regionais como David Chan Thiang, secretário de estatísticas do Sudão do Sul e Barnaba Marial Benjamin, porta-voz do governo e ministro da Informação. A conferência tem o apoio da Unicef e do governo alemão.

Um dos resultados que Kovats imagina na prática é uma diretoria de sistemas abertos que conversaria com todas as outras secretarias do governo do Sudão do Sul. “Se você tem uma boa equipe de tecnologia da informação, com autonomia e livre acesso às várias instâncias do governo, muita coisa pode mudar. O governo é a nossa ferramenta e precisamos retomar esse protagonismo”, defende Kovats.

Do zero. Nascido no Canadá, o idealizador do projeto chegou a Alemanha, onde mora há 20 anos, três dias depois da queda do muro de Berlim. “Fiquei impressionado com a possibilidade de reconstrução.” Àquela altura, como agora no Sudão do Sul, todos sabiam que as coisas iriam mudar, mas não sabiam o que e nem como. “Quais os fundamentos que precisamos usar quando tudo está de ponta-cabeça?”, questiona ele, que se define como um arquiteto que constrói sistemas e criações utópicas.

Com experiência de anos no uso das tecnologias para transformação social, Kovats aceita todos os convites que recebe para falar do seu projeto, com fins de angariar parceiros e apoiadores. “Realmente o Sudão do Sul apresenta uma oportunidade incrível para o conceito de abertura, no sentido de uso de transparência e sistemas abertos para a construção de um país. Meu desejo agora é buscar parceiros em outros países da África”, planeja.

ESTRATÉGIAS ABERTAS

O temo “open source” deixou de ser sinônimo de software livre para influenciar a moda, o design, a psicologia, os modelos de negócio e a vida de muitas pessoas. É isso que se viu na primeira edição da conferência Open Strategies (estratégias abertas), realizada em novembro em Berlim.

Entre os projetos apresentados por lá, havia propostas para levar o conceito das tecnologias abertas para usos menos convencionais, como hackear uma máquina de tricô, compartilhar fracassos pessoais ou modificar os contratos milionários de petróleo. “Quando descobri a comunidade open source, me impressionei com o fato dos desenvolvedores serem tão precisos sobre o limite de seus projetos”, disse o curador do evento, Andreas Gebhart. Sua ideia era juntar experiências que, de alguma forma, refletem a cultura livre além do ambiente puramente tecnológico.

O empresário Matteo Cassese, por exemplo, apresentou uma rede social chamada Out As You, que almeja, em dez anos, ajudar 10% da população a assumir sua sexualidade. Já a programadora Regine Heidorn falou de sua teoria, baseada na neurociência, de que precisamos ser mais abertos com os fracassos em nossas vidas. “Estamos muito acostumados a comemorar sucessos, mas são os fracassos que nos levam a soluções realmente inovadoras”, disse.

Outros participantes falaram da cultura livre no mundo físico. Há dois anos a programadora Fabienne Serriere ressuscitou uma máquina de tricô de 1982, que, nas palavras dela, “só se tornou usável por causa do conhecimento livre que temos hoje”. Entre as brincadeiras com a máquina, Fabienne produziu capas térmicas para a Club Mate, uma bebida típica berlinense, para que as pessoas possam tomá-la mesmo no frio.



Um Passeio Pelo Mundo Livre

Petróleo
A ideia: Fundada pelo empreendedor e jornalista britânico Johnny West, a Open Oil se define como uma empresa de transparência. O principal objetivo é ajudar a população dos países produtores de gás e petróleo a se apropriarem dos dados e contratos relacionados à produção destes recursos naturais. A empresa já lançou mais de cinco almanaques “Open Oil”, cada um dedicado a um país produtor diferente como Colômbia, Gana e Iraque. Há também guias colaborativos e material didático sobre o mundo do petróleo
Site: openoil.net

LGBT
A ideia:  A Out As You é uma rede social destinada ao público LGBT criada para ajudar a população a assumir sua sexualidade perante a família, amigos e colegas de trabalho. Para isso, há ferramentas como textos de autoajuda, informações úteis sobre leis anti-homofobia e depoimentos. Está em desenvolvimento
Site: out.as/you

Ensino
A ideia: A Open Tech School é uma associação de ensino de linguagens de programação dirigida principalmente às mulheres, embora homens também sejam bem-vindos. Ela é formada por voluntários e tem escolas em Berlim e Copenhague (Dinamarca)
Site: opentechschool.org

Trocas
A ideia: Ainda em fase beta, o Qipoqo é uma plataforma de consumo colaborativo que quer incentivar a troca de serviços. A ideia é que os usuários possam se ajudar com seus conhecimentos sem que se gaste nenhum centavo
Site: ysignup.qipoqo.com

Clima
A ideia: Projeto de três jovens empreendedores de Berlim, o Open State pretende trazer à tona discussões sobre mudanças climáticas e o futuro do planeta.
Os empreendedores planejam realizar uma conferência em 2013, em que dez projetos serão selecionados e desenvolvidos colaborativamente. Os próximos passos incluem a criação de uma plataforma na internet e um livro. O material será lançado sob uma licença aberta, para que possa ser copiado e distribuído. Em 2015 a ideia é que o evento possa ser ampliado para outros países

Via: openstate.cc