Entendendo os principais códigos maliciosos da rede

Uma cliente me mandou um email desesperada, achando que seu PC tinha sido invadido, imaginando que poderia ser localizada de qualquer forma.

Como não tinha muito tempo pra explicar achei um resumão básico do que são cada uma delas.

Mais importante do que saber o nome de cada tipo de praga virtual, também conhecidas como malware, vale a pena entender o tamanho do estrago que cada uma delas pode causar ao seu PC.

Vírus

Os vírus são programas destinados a alterar o funcionamento de computadores ou telefones celulares. Eles se automultiplicam e têm o poder de destruir programas, apagar arquivos ou causar falhas no sistema.

Cavalo de tróia (trojan, em inglês)

O cavalo de tróia é semelhante ao vírus, mas não tem capacidade de se automultiplicar. Ele não infecta vários arquivos, mas abre brechas para que criminosos "tomem conta" das informações do computador. Para funcionar, um trojan precisa de uma ação direta do usuário, como abrir anexo ou executar um programa.

Adware

É projetado para apresentar propagandas automáticas no navegador ou em qualquer outro programa. Geralmente o internauta só desconfia desse código malicioso quando percebe que muitas janelas de propaganda abrem-se automaticamente durante o uso da internet.


Spyware

Trata-se de um programa espião que faz uma varredura dos arquivos, monitora as ações do usuário e envia as informações coletadas como senhas e números de cartão de crédito aos criminosos.

Keylogger

Significa registrador do teclado. Esse tipo de fraude na verdade é uma espécie de spyware que infecta o computador da vítima e passa a gravar tudo o que é digitado no teclado, com a finalidade de descobrir senhas. Foi por causa dos keyloggers que os sites de bancos começaram a oferecer aos clientes teclados virtuais.

0 Comentários

Red Hat contrata um engenheiro de software cego para melhorar a acessibilidade no desktop Linux

A Red Hat está contratando um engenheiro de software cego para ajudar nos refinamentos de acessibilidade no GNOME, Fedora e RHEL. A acessibilidade em um desktop Linux não é um dos pontos mais fortes a serem destacados. No entanto, o GNOME, um dos melhores ambientes de desktop , conseguiu se sair melhor comparativamente (acho). Em uma postagem no blog de Christian Fredrik Schaller (Diretor de Desktop/Gráficos, Red Hat), ele menciona que eles estão fazendo sérios esforços para melhorar a acessibilidade. Começando com a contratação de Lukas Tyrychtr pela Red Hat , que é um engenheiro de software cego para liderar o esforço para melhorar o Red Hat Enterprise Linux e o Fedora Workstation em termos de acessibilidade. Entre os detaques Estado de acessibilidade no GNOME Enquanto eu mencionei que o GNOME conseguiu ter um suporte de acessibilidade decente no passado, Christian menciona o que aconteceu ao longo dos anos: O primeiro esforço conjunto para oferecer suporte à acessibilidade no Linux